Ouça agora na Rádio

N Notícia

© NASA . NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA

FOTO: © NASA . NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA

Descoberta incomum no planeta anão Ceres surpreende astrônomos da NASA

A sonda Dawn da NASA teria descoberto grandes quantidades de matéria orgânica no planeta anão Ceres. Os astrônomos responsáveis pela descoberta falaram sobre seus encontros em um artigo recém-publicado.

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

Em março de 2015, a sonda capturou imagens de uma montanha piramidal de quatro quilômetros com manchas brancas, que se tornou um verdadeiro mistério para os cientistas.

Entretanto, foi revelado que um monte representa na realidade um criovulcão extinto e as machas brancas eram os restos de vapor aquífero. Juntamente com outras camadas de gelo que foram encontradas na superfície do planeta, os cientistas chagaram a conclusão de que Ceres tem um oceano subterrâneo. 

Segundo a autora do estudo, Hannah Kaplan, sua equipe se interessou muito pela influência que a matéria orgânica da superfície do planeta pode ter sobre a composição de água nesse oceano. Durante investigação, os astrônomos descobriram que a composição das rochas na superfície de Ceres é parecida aos condritos carbonáceos que se encontram nos asteroides e, em menor medida, na Terra.

"Se analisarmos Ceres buscando matéria orgânica 'espacial' parecida à da Terra, resultará que aproximadamente a metade de sua superfície é coberta por consideráveis jazidas similares", comentou Kaplan.

De acordo com ela, é muito mais que a anterior estimação correspondente a um valor entre 6% e 10% de matéria orgânica. 

Além disso, estas quantidades de matéria orgânica “espacial” não podem ser explicadas pelos impactos de asteroides sobre o planeta. Se fosse assim, as quantidades seriam muito pequenas ou asteroides seriam muito grandes para que o material orgânico pudesse sobreviver ao impacto. 

Espera-se que outras missões interplanetárias, a Hayabusa-2 e a OSIRIS-REx, esclareçam melhor as novas perguntas, enviando à Terra fragmentos dessas rochas. Isso permitirá estudar mais detalhadamente a composição química dos condritos.

 

FONTE: SPUTNIK BRASIL
Link Notícia